Tag: gimp

Gimp para design gráfico: Por que não?

Utilizo bastante e sou um divulgador de software livre. Minhas poucas contribuições foram mais com traduções (sempre que encontro um sistema que não tem uma versão em português, corro para traduzir). Uma coisa, porém, me tirava a paciência: fica uma lacuna na parte de criação gráfica.

Claro que já tinha ouvido falar do Gimp. É a primeira opção que se recomenda e se pensa em qualquer lugar, mas, será que ele é bom mesmo? Dá para fazer as mesmas coisas que “um Photoshop da vida”? Tentava e tentava utilizar, mas sempre me deparava com uma ou outra coisa que me impedia de afirmar: “O Gimp presta!”

Minha visão mudou. Por quê? Porque meu “método de avaliação” mudou. Estava tentando procurar no Gimp as ferramentas e formas de trabalhar que eu estava acostumado no Photoshop. Esqueci que o que eu queria avaliar, na verdade, era se o Gimp era capaz de ser a ferramenta ideal para design gráfico. E descobri que sim.

Estaria mentindo se dissesse que é um software completo. Não é. Coisas básicas ainda faltam (algumas delas já prometidas para a próxima versão) como:

  • Agrupamento de camadas (essa já é certeza sair na próxima versão)
  • Desenho vetorial (existe uma implementação de vetor, mas praticamente só para seleções)
  • Melhoria na ferramenta de Brush.
  • Suporte a CMYK (no meu caso, desenho praticamente para a Web, então isso não é ponto falho)

Apesar dessas pequenas faltas, digo que é possível sim fazer trabalhos bons utilizando o Gimp. E digo que hoje não sinto falta do Photoshop. Não há nada no Gimp que não consiga fazer. Nada que eu precise, ao menos.

Tive que entender que para fazer um quadrado ou um círculo, tenho que selecionar uma área e pintá-la, ao invés de clicar numa ferramenta de círculo e escolher a cor interna. Perceberam que o que muda é somente a maneira de se fazer as coisas? O resultado final e o esforço para atingi-lo são os mesmos.

Meu primeiro exemplo real e prático de um trabalho feito 100% utilizando o Gimp foi o site www.gogs.com.br. Nele fiz questão de nem abrir o Photoshop. Nenhum momento sequer, e, julgo eu (falando de meu filho) que ficou bem bonitinho. 😀

Para quem tem preguiça de acessar links de posts, segue abaixo um screenshot pequeno:

Screenshot do site www.gogs.com.br

Desculpem-me não ter sido muito específico, mas utilizo este artigo mais para incentivar você também a descobrir que se pode fazer com o Gimp tudo o que deseja, e com um tempo outras ferramentas não vão fazer tanta falta.